sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Jesus: o único intercessor

Paulo, chamado para ser apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus, e o irmão Sóstenes, à igreja de Deus em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para serem santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso: graça e paz sejam convosco, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.” (I Coríntios 1.1-3).
Porque há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem. Ele se entregou em resgate por todos, para servir de testemunho a seu próprio tempo. Digo a verdade, não minto, para isso fui constituído pregador e apóstolo, mestre dos gentios na fé e na verdade.” (I Timóteo 2.5-7).

O assunto que vou tratar nessa reflexão é um assunto polêmico, você que é um católico sincero, saiba que não estou julgando seu coração, isso compete a Deus. Contudo, você precisa saber que o que será falado está na Bíblia, milhares de cristãos, de todas as épocas, em todo o mundo, acreditam nisso. Peço-te, por favor, tente ler o texto até o fim. Entenda, não insistimos nesse ponto para criar qualquer tipo de rixa, isso não é pessoal, mas o fazemos por sabermos da seriedade do assunto, já que o posicionamento errado divide o poder, que é somente de Jesus, com homens, mulheres, coisas e lugares.

A palavra “kadosh”, que aparece no Antigo Testamento em hebraico, significa santo, sagrado, separado, puro. Ela é utilizada para designar Deus assim como um indivíduo consagrado para uma determinada finalidade religiosa. No Novo Testamento a palavra aparece em grego, “hágios”, e se refere também a aquele que se converte ao caminho de Jesus, logo, todos os que decidem ser filhos de Deus, que optam por Jesus, são santos. Essa é a doutrina bíblica.
Santo sou eu, é você, que é filho de Deus, não temos, seja em vida ou em morte, qualquer poder para interceder pelos homens, e isso ocorre com todos os que viveram, morreram, viverão e morrerão em Cristo. Mesmo tendo escrito textos bíblicos fundamentais para o cristianismo, Paulo, Pedro, João e outros, em nada diferem de mim e de você, que caminhamos com Jesus. Isso também é válido para Francisco de Assis, Maria Madalena ou Maria mãe de Jesus. Repetindo, essa é a doutrina bíblica, se você se der ao trabalho de ler a Bíblia e estudá-la, fará essa constatação. O homem tem duas tendências, elas facilitam a vida daqueles que não querem ter uma experiência espiritual diretamente com Deus através de Jesus. A primeira delas é acreditar naquilo que se pode ver, delegar poder a um deus visível, tocável, controlável. 
A outra tendência nem precisa que esse falso deus seja visível, em uma imagem, etc, basta que seja alguém proeminente, que se torna, após sua morte, um ídolo. Se isso ocorre com Elvis Presley e com John Lennon, ídolos mundanos da área musical, porque não ocorreria com ícones cristãos e principalmente com a própria mãe carnal de Jesus? Seja “são” Elvis, “são” José ou qualquer entidade dita espiritual, esses não têm qualquer capacidade para intercederem, diante de Deus, pelos homens, essa capacidade somente Jesus tem. Mesmo que Deus conheça a sinceridade de cada coração, a intenção, na prática, quando se levanta um clamor a um dito “santo”, se está rezando para uma entidade espiritual do mal, porque a pessoa que o tal santo está ligado, não pode ouvir tal oração. Os vivos não podem se comunicar com os mortos, seja o morto quem for. 
Não, a questão não é nem a figura no papel, que muitos dizem que é apenas uma lembrança de alguém que se ama, assim como uma fotografia que se guarda na carteira da mãe e do pai. A questão é o valor que se dá no coração. Quem lê o antigo testamente, sabe quanto o povo de Israel sofreu por ter colocado deuses pagãos no lugar de Deus. Quem estuda história universal também sabe do sincretismo, de interesse político, que houve quando a religião romanista passou a ser a religião oficial do império, sincretismo entre uma deusa pagã da fertilidade e uma figura feminina importante do cristianismo. O texto abaixo foi retirado da página “A adoração da Mãe e do Filho” (se puder, leia o texto na íntegra no link):

Um dos melhores exemplos de tal transferência do paganismo, pode ser visto na maneira como a igreja professa permitiu que o culto da grande mãe continuasse – somente um pouquinho diferente na forma e com um novo nome. Veja você, muitos pagãos tinham sido trazidos para o cristianismo, mas tão forte era sua adoração pela deusa-mãe, que não a queriam esquecer. Líderes da igreja comprometidos viram que, se pudessem encontrar alguma semelhança no cristianismo com a adoração da deusa-mãe, poderiam aumentar consideravelmente o seu número. Mas, quem substituiria a grande mãe do paganismo? E claro que Maria, a mãe de Jesus, pois era a pessoa mais lógica para eles escolherem. Ora, não podiam eles permitir que as pessoas continuassem suas orações e devoções a uma deusa-mãe, apenas chamando-a pelo nome de Maria, em lugar dos nomes anteriores pelos quais era conhecida? Aparentemente foi este o raciocínio empregado, pois foi exatamente o que aconteceu. Pouco a pouco, a adoração que tinha sido associada à mãe pagã foi transferida para Maria.
Mas a adoração a Maria não fazia parte da fé cristã original. É evidente que Maria, a mãe de Jesus, foi uma mulher excelente, dedicada e piedosa – especialmente escolhida para levar em seu ventre o corpo de nosso Salvador – mesmo assim nenhum dos apóstolos nem mesmo o próprio Jesus jamais insinuaram a ideia da adoração a Maria. Como afirma a Enciclopédia Britânica, durante os primeiros séculos da igreja, nenhuma ênfase, fosse qual fosse, era colocada sobre Maria. Este ponto é admitido pela “The Catholic Encyclopedia” também: “A devoção a Nossa Bendita Senhora, em última análise, deve ser olhada como uma aplicação prática da doutrina da Comunhão dos Santos. Vendo que esta doutrina não está contida, pelo menos explicitamente, nas formas primitivas do Credo dos Apóstolos, não há talvez qualquer campo para surpresa de não descobrirmos quaisquer traços do culto da Bendita Virgem nos primeiros séculos cristãos”, sendo o culto de Maria um desenvolvimento posterior.”

Na verdade, quando se admite a possibilidade de que se pode rezar para um “santo”, autoriza-se as práticas espíritas, kardecistas ou afros, que dizem poder entrar em contato com os mortos através dos médiuns, é tudo a mesma coisa (lembre-se de todo o sincretismo religioso que existe entre os “santos” romanistas e as entidades afro-espíritas, Santa Bárbara e “Inhansã”, por exemplo).
Infelizmente existe um caminho que vai para o abismo espiritual, e que é consequência de quem se afasta do Deus vivo, se afasta e não tem a coragem de negar totalmente os valores da “religião” de Deus. (Qual é a religião de Deus? Jesus é a religião de Deus). Quando deixa de se respeitar, adorar e celebrar a Deus, passa a se respeitar, adorar e celebrar as coisas e os lugares, cria-se ritos e rituais. Que coisa é mais significativa no cristianismo que a cruz? Ela representa todo o sacrifício que o filho de Deus teve que fazer para se tornar o salvador da humanidade.
Mas não somente a cruz é reverenciada como objeto de poder, também o copo que Jesus usou na última ceia, chamado de “santo graal”, o manto que cobriu Cristo em seus últimos momentos, o “santo sudário”, e aí vai. A reaquisição de muitos desses objetos, foi motivo das guerras chamadas “santas” ou cruzadas, que os europeus fizeram contra os turcos muçulmanos que controlavam a Palestina entre os séculos XI e XIII. Mas não somente os objetos, mas os lugares por onde Jesus passou durante sua vida encarnada ganharam alguma capacidade propiciatória de intercessão e de evolução na vida daqueles que não querem se aproximar única e exclusivamente de Deus através de Jesus.
 Quando Deus “morre” para uma religião, não resta outro caminho senão o de delegar poder às coisas, aos objetos e aos lugares, isso também tem acontecido com supostas igrejas evangélicas dos tempos atuais, que chegam ao cúmulo de usar ícones de religiões espíritas africanas, como a vela, o sal grosso, o copo d´água, como símbolos de poder para ser obter algo. Quando o sacrifício de Jesus perde sua capacidade de purificação, novos sacrifícios têm de ser feitos, novos altares têm de ser construídos, seja de supostos “cristos”, de animais, ou de sei lá o que.

Se você não concorda com essa reflexão, por favor, não se sinta ofendido, Deus conhece seu coração, Ele é o único que pode julgar a todos com justiça, contudo, você precisa saber que tudo isso está na Bíblia, isso é a vontade primeira e pura de Deus. Jesus, só ele, mas nada e nem ninguém, nem novas encarnações, nem qualquer outro tipo de intercessão ou evolução, de reza ou de magia, podem fornecer ao homem o perdão dos pecados e o direito de morar com Deus na eternidade.
Mesmo que você tenha consciência de que sua igreja tem suas imperfeições, não use isso como desculpa para ficar por lá para sempre, porque seus pais são assim e você também tem que ser. Não que exista uma igreja perfeita, mas existem muitas igrejas cristãs nesse mundo, e pode ter certeza que existem igrejas bem próximas da real vontade de Deus para sua vida. Sim, o que importa é o seu coração, mas talvez você esteja fraco e desanimado porque está lutando sozinho numa batalha que você pode lutar junto com outras pessoas, que como você, querem servir a Deus em sinceridade e em verdade.
A filosofia tem ganhado algumas batalhas intelectuais contra o cristianismo, justamente porque muitos cristãos insistem num cristianismo equivocado, que interfere nos poderes políticos e financeiros do mundo, assim como despreza, de maneira irracional, as descobertas científicas. A Bíblia nunca se propôs a ser um livro científico, é um texto atemporal para orientar o homem na busca e no conhecimento espiritual de Deus. O cristão precisa ter crítica, não se deixar levar pelos poderes desse mundo, e que poder mundano é pior que aquele que se coloca dentro da igreja, de forma secreta e tendenciosa, tendo como objetivo ter supremacia nesse mundo, nada tendo a ver com o reino dos céus.
Se isso te incomodou de alguma maneira, pense no assunto e fale com Deus a respeito, mas esteja pronto para mudanças reais, acredite, Deus tem o melhor pra você.
 .

2 comentários:

  1. Ótimo texto e ótimo estudo, infelizmente muitos católicos simplesmente não querem saber da verdade, estão presos a religião e a defendem a todo custo, nós temos q pregar não a religião, mas sim Jesus Cristo, não temos q nos basear em dogmas ou palavras papais, mas sim na Bíblia, é la q se encontra toda a verdade, e ela não difere da bíblia catolica não, a não ser os livros acrescentados, mas o livro baruc, da biblia catolica, condena a adoração a imagens e esculturas e chama de ignorante quem os adora, e exorta a se prostarem e ajoelharem- se diante de um só Deus. Com tudo isso, levo-me a pensar q católicos não leem a bíblia, ou tem um entendimento muito absurdo da mesma.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado, nós vamos fazendo a nossa parte, a tempo e fora do tempo, no trabalho, nas faculdades, no meio dos parentes, na igreja e também nesse mundo virtual da grande rede, agradeço pelo comentário que sempre me motiva mais a continuar pondo em prática aquilo que Deus colocou em meu coração, fique à vontade para opinar sempre que for possível.

    ResponderExcluir